Médico alongando um paciente

Como os exercícios de alongamento podem contribuir para correção de desvios posturais? É nítido que a sociedade atual está sendo conduzida a dedicar-se cada vez mais as suas funcionalidades, doando-se cada vez mais ao trabalho, e passando horas e horas em suas posturas ocupacionais. Fatores assim vêm ocorrendo em diversas profissões diariamente, expondo as pessoas de forma exacerbada a posturas danosas para os sistemas articulares e musculoesqueléticos.

Ainda os problemas visuais, problemas emocionais, stress, peso excessivo, problemas nos pés, perna mais curta, músculos debilitados, alimentação inadequada, maneira de dormir, atitude mental, também podem contribuir significativamente para que um indivíduo adquira problemas posturais (1). 

O sedentarismo, este que juntamente com os outros aspectos citados, trazem problemas alarmantes para saúde postural da sociedade atual. Esses e outros fatores como, obesidade e envelhecimento podem também gerar ou intensificar os desvios posturais quando já instalados. E com isso, acabar influenciando de maneira significativa na saúde e qualidade de vida das pessoas, tendo em vista, que muitas vezes, a má postura acaba gerando dor, por um nível elevado de fadiga muscular (2).

 

Principais desvios posturais e musculatura envolvida

A região do corpo considerada a mais afetada pelos desvios posturais é a região da coluna vertebral, pois, segundo Matos (2010) podemos encontrar nessa região desvios como:

·      Hiperlordose Cervical: uma curvatura acima de 20°;
·      Hipercifose Torácica: quando acontece uma convexidade acima de 40° posterior;
·      Hiperlordose lombar: quando a angulação pélvica acima de 20°;
·      Escoliose: inclinação lateral da coluna com componente rotacional dos corpos vertebrais.

E esses desvios quando funcionais (acometidos por hábitos e posturas errôneas), pode-se dizer que acontecem através de encurtamentos, atrofias, e aparência de fibras tônicas na musculatura envolvida. Isso ocorre, principalmente quando os músculos envolvidos são ou tenham correlação direta com os principais grupamentos musculares antigravitacionais, que segundo Knoplich citado por Matos (2010) são: Panturrilha (tríceps sural); Isquiotibiais; Glúteo máximo; Eretores da coluna; Flexores do pescoço; Abdominais; Quadríceps; Ilipsoas; Dorsiflexores. 

Para detectar esses desvios posturais funcionais mais comuns, no artigo citado anteriormente métodos de avaliação postural (3), o mesmo descreveu baseando-se numa revisão sistemática publicada em 2014 (4), que o método mais usado no Brasil hoje para tal fim é a fotogametria, portanto, seria interessante para quem trabalha/estuda com desvios posturais, dar uma analisada no método citado.

 

Alongamento Muscular

Com isso, percebe-se que desenvolver métodos de tratamento ou prevenção dos desvios posturais, parece ser uma maneira muito eficiente de contribuir para saúde da sociedade em geral. Pensando nisso, um dos pressupostos para redução desses problemas, seria a inserção de programas de exercícios de alongamentos musculares de forma organizada e periodizada na rotina dessas pessoas.

Para fundamentar a criação de programas de alongamentos para correção postural, fundamenta-se nos estudos de Marques (2), Rosário (3); que expos os voluntários a este tipo de exercício 02 vezes por semana, por mais de 02 semanas e compararam com um grupo controle (grupo que não realizou nenhum tipo de exercício) e repararam que esse tipo de exercício provocou um melhor alinhamento na postura corporal dos participantes. 

Às vezes, acontecem dos indivíduos realizar diferentes tipos de exercícios, ou até mesmo exercícios de alongamento, e mesmo assim permanecerem sem nenhuma melhora em seus desvios posturais. Sendo assim, gera outra lacuna para discussão, pois, neste caso, questiona-se a maneira em que os exercícios e suas variáveis de treinamento tenham sido manipulados, pois, será que a intensidade, o volume, o descanso, foram prescritos e periodizados de maneira correta? Neste caso, certamente não!

 

Conclusão

Em virtude dos fundamentos apresentados, podemos perceber que o exercício de alongamento, quando prescrito de maneira correta e específica para cada indivíduo, pode contribuir para redução de desvios posturais, e com isso, melhora a saúde e qualidade de vida das pessoas.

Referências:
1. Tribastone F. Tratado de Exercícios Corretivos Aplicados a Reeducação Motora Postural. São Paulo: Manole; 2001.
2. Yahia A, et al. Evaluation of the posture and muscular strength of the trunk and inferior members of patients with chronic lumbar pain. Joint, bone, spine : revue du rhumatisme. 2011;78(3):291-7.
3. Silva Filho, JN. Métodos de avaliação postural. Disponível em:<http://goo.gl/T6iRRt>. Acessado em: 26.Set.2014.
4. Silva Filho, JN. Methods of evaluating postural deviations of the spine used in national studies: systematic review. Man. Ther., Post. Reha. J.2014;12:43-8.
5. Matos, O. Avaliação postural e prescrição de exercícios corretivos. São Paulo: Phorte, 2010.
6. Marques AP. et al. Alongamento muscular em pacientes com fibromialgia a partir de um trabalho de RPG. Rev bras de reumato. 1994;34(5):232-4.
7. Rosário, JLP. Reeducação Postural Global e alongamento segmentar: um estudo comparativo: Universidade de São Paulo, 2003.